Os negociantes da praça do Porto e a Revolução de 1820

The Oporto Market Traders and the Revolution of 1820

Joaquim António Gonçalves Guimarães
Faculdade de Letras da Universidade do Porto

A presença de elementos afetos à atividade comercial da praça do Porto na preparação da Revolução de 1820 vai fazer-se notar logo na constituição do Sinédrio, o clube de civis e militares que a organizou. Mas a classe, através de grande número dos seus elementos, vai estar presente e ativa nos momentos que se seguirão para a construção de uma nova sociedade constitucional, como é o caso da sua participação nas eleições de dezembro para a eleição dos deputados às Cortes Constituintes, na organização da infantaria e cavalaria da Guarda Nacional entretanto constituída onde vão alistar-se, e participando nos trabalhos de uma comissão destinada a informar as Cortes das necessidades legislativas para melhorar as práticas da atividade mercantil na segunda cidade do país, com particular incidência nas relações com o Brasil e com os portos do Norte da Europa. Ainda que sofrendo a breve trecho os reveses políticos da recuperação absolutista, e económicos devido à temporária conflitualidade, também comercial, motivada pela independência do Brasil, o principal mercado exportador e de importação da barra do Douro, os negociantes da praça do Porto, a despeito de contrariedades fiscais e organizacionais e mesmo de perseguições judiciais, manterão e reforçarão a sua adesão à nova ordem e os seus propósitos constitucionais até à consolidação da vitória liberal após 1834.

Palavras-chave:

Revolução de 1820, Negociantes, Praça do Porto, Sociedade constitucional


The presence of elements related to the commercial activity of Porto market in the preparation of the 1820 revolution will be noticed in the constitution of the Sinédrio, the club of civilians and soldiers that organized it. But the class, through a great number of its elements, will be present and active in the moments following the construction of a new constitutional society, such is the case of its participation in the elections of December for the deputies to the Constitutive Courts, in the organization of the Infantry and Cavalry of the National Guard meanwhile constituted where they are going to enlist, and participating in the works of a commission destined to inform the Courts of the legislative necessities to improve the practices of trading activity in the second city of the country, with particular incidence in the relationships with Brazil and with the Northern Europe harbours. Yet suffering in short term the political twists of the absolutist recovery, and economic due to temporary conflicts, also commercial, motivated by the independence of Brazil, the principal export and import market of Douro Barr, the traders of Porto market despite tax and organizational difficulties and even judicial persecutions, will keep and reinforce their adhesion to the new order and its constitutional purposes until the liberal victory after 1834.

Keywords:

Revolution of 1820, Traders, Porto market, Constitutional society