Os engenheiros portugueses e o liberalismo: actuação política, social e económica

Portuguese engineers and liberalism: political, social and economic behaviour

Ana Cardoso de Matos
CIDEHUS – Universidade de Évora

A implantação do liberalismo permitiu o retorno de vários liberais que se tinham exilado no estrangeiro e que no seu regresso ao país vão ter um papel importante na modernização do mesmo. Com efeito a nova intelligentsia, entre a qual se encontram vários engenheiros, tivera durante os anos do exilio oportunidade de conhecer os progressos da ciência e da técnica que se verificavam em países como a França ou a Inglaterra, e de contactar com uma elite política, económica e científica que pugnava pelo progresso social e económico assente nos avanços da ciência e da técnica.

Muitos dos membros desta elite tiveram ainda a oportunidade de completar a sua formação nas mais prestigiadas escolas desses países, nomeadamente nas escolas de Paris. O saber e a experiência adquiridos no estrangeiro dotaram vários engenheiros de conhecimentos técnico-científicos actualizados e de um maior domínio da tecnologia. Mesmo os engenheiros que permaneceram em Portugal puderam, graças à criação de sociedades e ao surgimento de novas publicações, ter um conhecimento mais actualizado do progresso registado nos outros países. Os engenheiros para além da sua intervenção nas obras publicas, na modernização urbana e nas grandes infraestruturas territoriais, como as estradas os canais ou, mais tarde, o caminho de ferro, participaram activamente na promoção do ensino técnico, estiveram envolvidos em iniciativas editoriais, foram autores de artigos e livros na maior parte das vezes com caracter técnico e didáctico, mas também de divulgação. No período do liberalismo a sua intervenção na sociedade assumiu múltiplas facetas e vários deles tiveram uma intervenção activa na vida política através da sua participação nas cortes ou assumindo a posição de ministros ou secretários de Estado, enquanto outros participaram na administração central e local desempenhando cargos nos ministérios ou nas Câmaras Municipais em diferentes pontos do país. A acção dos engenheiros a nível industrial foi também diversificada e tanto encontramos estes profissionais como empresários ou accionistas de companhias industriais, nas quais ocupavam muitas vezes cargos directivos, como serviam de consultores quando se tratava de introduzir um novo e mais complexo sistema de produção ou de organização fabril que exigiam um parecer mais técnico. Num e noutro caso procuraram colocar o seu saber técnico ao serviço do desenvolvimento dessas mesmas empresas. Influenciados pelas teoria Saint-Simonistas os engenheiros tiveram também uma intervenção importante na promoção do ensino técnico das classes trabalhadoras e na organização da sociedades e associações que promovessem a divulgação dos conhecimentos técnico científicos como base essencial do progresso da industrial e dos melhoramentos materiais do país. Nesta comunicação pretendemos abordar os aspectos acima referidos nas décadas que se seguiram à implantação do liberalismo em Portugal.

Palavras-chave:

Liberalismo, Engenheiros, Intervenção político-administrativa, Obras públicas, Indústria, Ensino técnico


The implementation of liberalism allowed the return of several liberals who had been exiled abroad and who, on their return to the country, will play an important role in its modernization. In fact, the new intelligentsia, which included several engineers, had the opportunity, during the years of exile, to be acquainted with the progress of science and technology that was taking place in countries such as France or England, and to contact with the elites (politics, economic and scientific) that strove for social and economic progress based on advances in science and technology.

Many of these elite members had also the opportunity to complete their learning in the most prestigious schools established in those countries, namely in ParisIf the knowledge and experience acquired abroad provided several engineers with up-to-date technical and scientific knowledge and a greater mastery of technology, also the engineers who remained in Portugal were able to have more up-to-date knowledge of the progress achieved in other countries, thanks to the creation of companies and the emergence of new publications. In addition to their intervention in public works, urban modernization and large territorial infrastructures, such as roads, canals or, later, the railroads, engineers strongly participated in the promotion of technical education. Whether involving themselves in editorial initiatives, or as authors of articles and books mostly with technical and didactic character, but also for publicizing. During liberalism, their intervention in society took on multiple facets. Quite a few involved themselves in political life, as members of the parliament, ministers or secretaries of state, while others took part in central and local administration playing positions in the ministries or in several city councils of the country. At an industrial level, the work of these engineers was also diversified and we can find them as entrepreneurs or shareholders of industrial companies, in which they often held management positions, as well as consultants when it came to introducing a new and more complex production system or a manufacturing organization requiring a piece of technical advice. In both cases, they sought to place their technical knowledge on the development of these companies. Influenced by Saint-Simonist theories, engineers also played an important role in promoting the technical education of the working classes and in organizing societies and associations that promoted the spreading of scientific and technical knowledge as an essential basis for the progress of industrial and material improvements in the country. In this paper, we intend to address the point of view mentioned above in the decades that followed the deployment of liberalism in Portugal.

Keywords:

Liberalism, Engineers, Political-administrative involvement, Public works, Industry, Technical teaching