Liberalismo político, liberalismo económico e neoliberalismo

Political liberalism, economic liberalism and neoliberalism

Luís Reis Torgal
Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra (CEIS20)

A questão que hoje se coloca, como um estigma negativo, de um neoliberalismo, ou como uma assunção necessária, e quase fatal, do capitalismo em mais uma das suas fases, só pode ser entendida se se recuar na História. Obviamente que o liberalismo político tem as suas características e, se nos é permitido na condição de historiadores, as suas “virtudes”. No entanto, não podemos deixar de recordar que ele foi muito criticado pelas opções político-sociais, de direita e de esquerda, ou seja, o socialismo (ou o comunismo) e o corporativismo que, na sua sequência política, criou o conceito ambíguo, mas com alguma identidade, de “fascismo”. Mas é no liberalismo que tem de se buscar as origens do liberalismo capitalista ou, se se quiser, do neoliberalismo. E se essas origens se encontram em pensadores burgueses liberais, também se encontram — e essa é uma verdade que normalmente se esquece — em pensadores contra-revolucionários antiliberais, do ponto de vista político, e, sobretudo, entre os mais esclarecidos. É o caso em Portugal de José Acúrsio das Neves e de José da Gama e Castro. Num ensaio de análise — que vem na sequência dos seus primeiros estudos de história das ideias políticas — o autor pretende reflectir como historiador sobre este tema tão complexo e contraditório.

Palavras-chave:

Liberalismo político, Liberalismo económico, Neoliberalismo, Tradicionalismo político português


The question that arises today, as a stigma, of a neoliberalism, or as a necessary and almost fatal assumption of capitalism in one of its phases can only be understood if one goes back in history. Political liberalism obviously has its characteristics, and as historians we might even say its “virtues”. In any case, we must not forget that it was highly criticised for its left-wing and right-wing political-social options, that is, socialism (or communism) and corporatism that in its political wake created the ambiguous, but somewhat identity-rich, concept of “fascism”. But it is in liberalism that one must trace the origins of capitalist liberalism or, if you will, of neoliberalism. While these origins are found in liberal bourgeois thinkers, they are also found – a truth one usually tends to forget – in anti-liberal counter-revolutionary political thinkers, and especially among the more enlightened. This is the case of José Acúrsio das Neves and José da Gama e Castro in Portugal. In this analysis essay, which follows his first studies on the history of political ideas, the author as an historian aims to reflect on this complex and contradictory topic.

Keywords:

Political liberalism, Economic liberalism, Neoliberalism, Portuguese political traditionalism