Joaquim José da Costa de Macedo visto à luz da sua correspondência

Joaquim José da Costa de Macedo seen through his correspondence

Aires Gomes Fernandes
Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra

Joaquim José da Costa de Macedo é, indiscutivelmente, uma das grandes figuras do séc. XIX em Portugal. Fidalgo da Casa Real e Membro do Conselho de Sua Majestade, exerceu diversos cargos públicos, foi deputado, vice-presidente da Junta dos Juros dos Reais Empréstimos e o grande mentor e Autor do “Projecto de regimento das cortes portuguezas”, em 1820. Além desta sua vertente política foi também uma figura incontornável da cultura nacional, com reconhecimento além-fronteiras, integrando dezenas de Academias de diversos países. Em Portugal foi sócio e secretário perpétuo da Academia Real das Ciências de Lisboa e guarda-mor da Torre do Tombo. E se a multifacetada vida pública de Joaquim José da Costa de Macedo é sobejamente conhecida, aquilo que pretendemos aqui trazer, é uma versão menos explorada deste ilustre parlamentar: o indivíduo por detrás do político. Deste modo partiremos de algumas fontes de cariz genealógico, bem como de outros elementos, que nos permitirão traçar o seu perfil biográfico. No entanto, o foco principal deste trabalho incidirá na análise de alguma da sua correspondência pessoal, o que nos permitirá ficar com uma ideia mais concreta sobre este homem. A cuidada observação dessas cartas permite-nos ter uma visão mais intimista e conhecer alguns traços da sua personalidade. Essa epistolografia abrange correspondência familiar, de amigos, com alguns conhecidos ou mesmo anónimos. As cartas e bilhetes vão do simples agradecimento por uma qualquer ação, passando pelos pedidos de ajuda e interferência para a obtenção de um determinado cargo, ou até à abordagem de questões de saúde privada, ou mesmo de saúde pública, caso da propagação da “Cholera Moribus”.

Palavras Chave:

Joaquim José da Costa de Macedo, Liberalismo, Revolução de 1820, Biografia, Epistolografia


Joaquim José da Costa de Macedo is undoubtedly one of the greatest figures of the 19th century in Portugal. A noble

from the Royal House and a Member of the Council of His Majesty, he held various public positions; he was deputy, vice-president of the Board of Real Loan Interest and the great mentor and author of the “Portuguese Courts Regiment Project” in 1820. In addition from this political point of view, it was also an unavoidable figure of national culture, with recognition across borders, integrating dozens of Academies from different countries. In Portugal he was a partner and perpetual secretary of the Royal Academy of Sciences of Lisbon and guardian of Torre do Tombo. If Joaquim José da Costa de Macedo’s multifaceted public life is well known, what we intend to bring here is a less explored version of this illustrious parliamentarian: the individual behind the politician. In this way we will start from some genealogical sources, as well as other elements that will allow us to trace its biographical profile. However, the main focus of this work will be analyzing some of his personal correspondence, which will allow us to get a more concrete idea about this man. The analysis of these letters allows us to have a more intimate view and to know some traits of his personality.

This epistolography covers family correspondence, friends correspondence, acquaintances correspondence or even anonymous correspondence. Letters and tickets range goes from simply thanking for any action, to asking him for help and interference to get a job. Sometimes the correspondence approaches private and public health issues, as, for instance, the case of the spread of “Cholera Moribus”.

Keywords:

Joaquim José da Costa de Macedo, Liberalism, Revolution of 1820, Biography, Epistolography