Identidade sociais e polarizações políticas (Portugal, 1820-1830)

Social identities and political polarizations (Portugal, 1820-1830)

Nuno Gonçalo Monteiro
Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

O cenário da revolução e da contra-revolução liberal foi também o da multiplicação das qualificações políticas. Estas, entretanto, acabaram por incorporar e traduzir classificações sociais. Esta comunicação procura cruzar as novas e as renovadas categorias sociais produzidas nos contextos dos anos de 1820, com as específicas configurações institucionais legadas por contextos pretéritos e com a forma como todos esses processos de traduziram numa crescente polarização política, que atingiu a sua máxima expressão nos anos de 1826-1828. Utilizar-se-ão fontes de diversas naturezas, como petições, listas de pronunciados políticos, ou discursos políticos, entre outros. A multiplicidade das fontes utilizadas permite perceber como definições mais abstratas de cidadania coexistiram com delimitações corporativas e com classificações sociais recortadas em função de identidades sociais mais horizontais e mais amplas. Recorrendo a momentos e a documentos selecionados, poder-se-á observar, assim, o surgimento em Portugal do conceito de «classe média» no discurso liberal, ou a forma como se conferia uma feição concreta aos «portugueses» no campo realista.

Palavras-chave:

Petições, Classificações sociais, Identidades corporativas, Qualificações políticas


The scenario of revolution and counter-revolution was also the one in which political adjetivations multiplied. These, however, eventually incorporated and translated social classifications.  This communication seeks to cross the new and renewed social categories produced in the contexts of the 1820s, with the specific institutional configurations bequeathed by past contexts and with the way in which all these processes have translated into an increasing political polarization, which reached its highest expression in the years 1826-1828. Sources of various kinds will be used, such as petitions, lists of political pronouncements, or political speeches, among others. The multiplicity of sources used makes it possible to see how more abstract definitions of citizenship coexisted with corporate delimitations and with social classifications cut according to more horizontal and broader social identities. Using selected moments and documents, one can thus observe the emergence in Portugal of the concept of “middle class” in liberal discourse, or the way in which a concrete feature was conferred to the “Portuguese” in the royalist field.

Keywords:

Petitions, Social rankings, Corporate identities, Political adjectives