As Faces da Revolta

The Faces of the Uprising

João Paulo de Jesus Martins Luz
inED, Centro de Investigação & Inovação em Educação Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto

A primeira metade do século XIX, tanto na Europa como em Portugal, foi marcada pelos valores defendidos na Revolução Francesa de 1789, na qual o próprio lema da revolução: Liberté, égalité, fraternité, explana os ideais aí defendidos (Ramos, 1983-1984). Oriundo destes ideais iluministas, não tardou para Portugal também presenciar a sua primeira experiência liberal, a 24 de Agosto de 1820 na Cidade do Porto (Araújo, 2006). Como principal tema investigamos os apoiantes da causa absolutista e liberal, tal como os apoiantes das duas faces, os situacionistas, cidadãos que apoiaram a ideologia que nessa altura estivesse no governo do país. Seguramente, os elementos que pertenceram ao Sinédrio são do conhecido do público em geral, como é o caso de Manuel Fernandes Tomás. Contudo, o apoio que estes angariavam entre si não era suficiente para assegurar o pronunciamento militar em vista, procuraram atrair para o seu meio o General António da Silveira Pinto da Fonseca, sendo que este obteve cooperação do Coronel de Artilharia Sebastião Drago Valente de Brito Cabreira. Francisco Gomes da Silva, José da Silva Carvalho e Ferreira Borges chamaram para o seu seio o Tenente-coronel Manuel Inácio Martins Pamplona Corte Real e o Tenente- coronel Luís Vaz Pereira Pinto Guedes comandantes do Batalhão de Caçadores 11 e 6, respetivamente e o Doutor Frei Francisco de São Luís Saraiva lente de Teologia da Universidade de Coimbra. O Sinédrio ainda contava com o apoio das milícias da Maia e de Santa Maria da Feria, sendo que estas juntaram-se ao movimento devido à perseverança do Major José Pedro Cardoso da Silva e ao Tenente ajudante Tibúrcio Joaquim Barreto Feio, por último contavam com o apoio do Corpo de Polícia do Porto. Após o consumar do processo revolucionário de 24 de Agosto de 1820, na Câmara do Porto estiveram presentes: D. João de Magalhães e Avelar, Bispo do Porto, o Marechal de Campo Filipe Sousa Canavarro, Governador das Armas da cidade, Ayres Pinto de Sousa, Governador das Justiças da Relação e da Casa do Porto, estes três altos representantes, que à época apoiaram o movimento, não interagiram diretamente, apenas deram o seu consentimento. Viriam anos mais tarde, a mostrar-se féis opositores ao regime que ajudaram a implantar. A nível metodológico iremos dar principal incidência à bibliografia e testemunhos da época, tanto de nacionais (Araújo, 2006) como estrangeiros, como é caso dos testemunhos ingleses (Coelho, 2004), obras publicadas posteriormente até aos dias de hoje, tal como gravuras, cartografia e imagens da época estudada. Deste modo, esperamos preservar a memória das pessoas que possuíram papel de relevância para este período da nossa história, e que através dos bastidores, tanto contribuíram para esta época uns de um modo mais explícito para o público como é o caso de Manuel Fernandes Tomás e, outros um pouco mais esquecido como José Xavier de Araújo do lado Liberal ou de Francisco da Silveira e de Ayres Pinto de Sousa do lado Absolutista. Estes são apenas alguns exemplos de algumas personalidades que à época eram identificados pelos seus valores.

Palavras-chave:

Porto, Guerra Civil, Absolutismo, Liberalismo


The first half of the 19th century, both in Europe and in Portugal, was marked by the values defended in the French Revolution of 1789, in which the very motto of the revolution: Liberté, égalité, fraternité, explains the ideals defended there (Ramos, 1983-1984). Coming from these enlightenment ideals, it was not long before Portugal also witnessed its first liberal experience, on August 24, 1820 in the City of Porto (Araújo, 2006). As a main theme we investigate supporters of the absolutist and liberal cause, as well as supporters of both sides, the situationists, citizens who supported the ideology that at that time was in the government of the country. Certainly, the elements that belonged to the Sanhedrin are known to the general public, as is the case with Manuel Fernandes Tomás. However, the support they obtained from each other was not enough to ensure the military pronouncement envisaged, they sought to attract General António da Silveira Pinto da Fonseca to their midst, who obtained the cooperation of Colonel of Artillery Sebastião Drago Valente de Brito Cabreira. Francisco Gomes da Silva, José da Silva Carvalho and Ferreira Borges called Lieutenant Colonel Manuel Inácio Martins Pamplona Corte Real and Lieutenant Colonel Luís Vaz Pereira Pinto Guedes commanders of Battalion of Hunters 11 and 6, respectively, and Doctor Frei Francisco de São Luís Saraiva lens of Theology at the University of Coimbra. The Sanhedrin still had the support of the Maia and Santa Maria da Feria militias, which joined the movement due to the perseverance of Major José Pedro Cardoso da Silva and assistant Lieutenant Tibúrcio Joaquim Barreto Feio, last they had the support of the Porto Police Corps. After the consummation of the revolutionary process of August 24, 1820, in the Chamber of Porto were present: D. João de Magalhães and Avelar, Bishop of Porto, Field Marshal Filipe Sousa Canavarro, Governor of Arms of the city, Ayres Pinto de Sousa , Governor of Justice of the Relations and Casa do Porto, these three senior representatives, who at the time supported the movement, did not interact directly, just gave their consent. They would come years later, to be loyal opponents of the regime they helped to implement. At the methodological level, we will give main focus to the bibliography and testimonies of the time, both from nationals (Araújo, 2006) and foreigners, as is the case with English testimonies (Coelho, 2004), works published later until today, such as engravings, cartography and images of the time studied. In this way, we hope to preserve the memory of the people who played a relevant role in this period of our history, and who, behind the scenes, contributed so much to this period in a more explicit way for the public, such as Manuel Fernandes Tomás and , others a little more forgotten like José Xavier de Araújo on the Liberal side or Francisco da Silveira and Ayres Pinto de Sousa on the Absolutist side. These are just some examples of some personalities who at the time were identified by their values.

Keywords:

Porto, Civil war, Absolutism, Liberalism