António Saldanha da Gama: Do pensamento contrarrevolucionário à ação diplomática no contexto ibérico (1820-1823)

António Saldanha da Gama: From the counterrevolutionary thinking to the diplomatic action in the Iberian context (1820-1823)

Manuel Marques Caiado
CIAUD (Centro de Investigação em Arquitetura, Urbanismo e Design) – Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa; Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

A revolução de 24 de agosto de 1820, no Porto, conduziu a uma das conjunturas mais importantes na construção da identidade contemporânea portuguesa. O reflexo desta mudança é evidente na introdução do constitucionalismo e nas mudanças das dinâmicas político-económicas que dele advieram. No entanto, um esforço assinalável de bastidores para a contenção e erradicação dos novos ideais liberais foi realizado sem que até hoje se tenha dada a devida importância. Tratou-se de um movimento de profissionais preocupados e dispostos a atuar em prol da estabilidade dos tronos absolutos na Península Ibérica. Assim, esta comunicação visa salientar o papel António Saldanha da Gama, Conde de Porto Santo a partir de 1823, e o seu protagonismo num momento central na história da diplomacia europeia. Oriundo de terras madeirenses, Saldanha da Gama esteve intimamente ligado a momentos de extrema importância nas conjeturas do início do século XIX, desde logo sendo o ministro plenipotenciário português no Congresso de Viena em 1814 e 1815. Cinco anos mais tarde a sua atuação esteve ligada ao rescaldo dos acontecimentos no Porto, em agosto de 1820. Inicialmente destacado em Madrid, mas passando por Paris e Liubliana, fez parte de um conjunto de diplomatas destacados nas diferentes capitais europeias, que iniciou um combate fervoroso pela não sobrevivência dos recentes empossados regimes. Consequentemente, entre 1820 e 1823, a solo ou na companhia destes embaixadores, como o Conde de Oriola em Berlim, o Marquês de Marialva em Paris e o Conde de Vila Real em Londres, encetou uma ofensiva contrarrevolucionária pela via diplomática representativa do seu posicionamento político-ideológico e que colocou sérios entraves à legitimação do liberalismo em Portugal e Espanha. Entre cartas referentes a missões particulares ao serviço do rei Fernando VII, correspondência com outros diplomatas afetos à causa absolutista e ainda memorandos de reuniões secretas pela intervenção militar na Península Ibérica no sentido de repor as monarquias absolutas, o arquivo do conde de Porto Santo elucida-nos de forma clara a importância da sua atuação nos primeiros momentos de vida dos regimes liberais em Portugal e Espanha. Durante três anos, período que se estende pelo menos até ao golpe da Vila-Francada em Portugal e à intervenção militar francesa conhecida pelos seus “Cem Mil Filhos de São Luís” em Espanha, António Saldanha da Gama personifica o espírito contrarrevolucionário que abalou os alicerces dos embrionários regimes liberais português e espanhol, transformando-o numa das personagens mais importantes da história diplomática europeia para este período.

Palavras-chave:

António Saldanha da Gama, Revolução liberal, Vintismo, Triénio liberal, Contrarrevolução, Diplomacia


The revolution of August 24, 1820, in Porto, led to one of the most important conjectures in the construction of contemporary Portuguese identity. The manifestation of this change is evident by the introduction of constitutionalism and in the change in political and economic dynamics that came with it. However, a remarkable backstage effort to contain and eradicate the new liberal ideals was carried out without due importance being given to this day. It was a movement of professionals concerned and willing to act in favour of the stability of absolute thrones in the Iberian Peninsula. Thus, this communication aims to highlight the role of António Saldanha da Gama, Count of Porto Santo from 1823, and his role in a crucial moment in the history of European diplomacy. Coming from the Madeira Archipelago, Saldanha da Gama was closely linked to moments of extreme importance in the conjectures of the early 19th century, being the Portuguese plenipotentiary minister at the Vienna Congress in 1814 and 1815. Five years later, his performance was associated to the aftermath of the events in Porto, in August 1820. Initially deployed in Madrid, but passing through Paris and Ljubljana, he was part of a group of diplomats, deployed in different European capitals, who began a fervent fight for the non-survival of the newly installed regimes. Consequently, between 1820 and 1823, solo or in the company of these ambassadors, such as the Count of Oriola in Berlin, the Marquis of Marialva in Paris and the Count of Vila Real in London, he embarked on a counterrevolutionary offensive through diplomatic means, representative of his political and ideological positioning, and which placed serious obstacles to the legitimation of liberalism in Portugal and Spain. Among letters referring to private missions at the service of King Fernando VII, correspondence with other diplomats related to the absolutist cause and memos of secret meetings for the military intervention in the Iberian Peninsula in order to restore the absolute monarchies, the archive of the Count of Porto Santo clarifies the importance of his performance in the first moments of life of the liberal regimes in Portugal and Spain. For three years, a period that extends at least until the coup of Vila-Francada in Portugal and the French military intervention known for its “Hundred Thousand Sons of Saint Louis” in Spain, António Saldanha da Gama personifies the counterrevolutionary spirit that shook the foundations of the embryonic Portuguese and Spanish liberal regimes, transforming him into one of the most important figures in European diplomatic history for this period.

Keywords:

António Saldanha da Gama, Liberal Revolution, Vintism, Liberal Triennium, Counter-revolution, Diplomacy