A historiografia portuguesa do século XX e o conceito de moderação na Revolução de 1820

The Portuguese historiography of the 20th century and the concept of moderation in the 1820 revolution

Ana Maria Pina
Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Pretende-se estudar o conceito de moderação política na Revolução de 1820, na historiografia portuguesa do século XX. Começaremos por analisar o uso do conceito nos grandes historiadores do século XIX, em particular, Alexandre Herculano, Oliveira Martins, José de Arriaga e Teófilo Braga. De seguida, passaremos a estudar a evolução do conceito no século XX. Depois de a República ter manifestado pouco interesse pelo estudo do século XIX, os constrangimentos universitários ao estudo do período contemporâneo durante o Estado Novo, levam a que poucos historiadores se atrevam a investigar as revoluções liberais. No quadro da academia, temos o caso praticamente único de Joaquim de Carvalho que escreve dois ensaios sobre o século XIX, incluindo as revoluções liberais, um para a História do Regime Republicano em Portugal, dirigida por Luís Montalvor, e o segundo para a História de Portugal, de Damião Peres, ambas os anos trinta. Fora da academia, vários intelectuais marxistas, nos anos 50-60, editam alguns estudos sobre o século XIX, revoluções liberais incluídas: Victor de Sá, José Tengarrinha, Julião Soares de Azevedo, Fernando Piteira Santos, entre outros. Será após o 25 de Abril que a história contemporânea entra na universidade, ao mesmo tempo que disparam os estudos sobre esse período. No numeroso conjunto de estudiosos que reflectiram sobre a revolução de 1820, seleccionaremos os historiadores da Escola de Coimbra, fundada por Silva Dias no princípio dos anos 70, do ICS, do ISCTE, o grupo em volta de Silva Dias, na FCSH, em Lisboa, e outros que porventura venham a revelar-se pertinentes. Propomo-nos investigar como é que os historiadores vêem a moderação política no triénio vintista, no contexto das restantes forças políticas. A questão base consiste em saber se a moderação é encarada como uma força ao serviço da revolução ou, pelo contrário, como uma força reaccionária.

Palavras-chave:

Moderação, Radicalismo, Revolução


We want to study the concept of political moderation in the revolution of 1820, in Portuguese historiography of the twentieth century. We will start with great historians of nineteenth century as Alexandre Herculano, Oliveira Martins, José de Arriaga e Teófilo Braga. Then, we will study the evolution of the concept in the twentieth century. Republic manifested little interest in the study of the nineteenth century and Estado Novo placed many constraints to the study of Modern Portugal and the liberal revolutions. We just have the case of Joaquim de Carvalho who wrote to the História do Regime Republicano em Portugal, edited by Luís Montalvor and to the História de Portugal edited by Damião Peres, both in the thirties. Out of the University, some marxist intellectuals, in the 50’s and the 60’s, wrote about XIX century and the liberal revolutions. After April 25th, the studies grow a lot. We will select historians from the school of Coimbra, ICS, ISCTE, the historiens around Silva Dias and another important historians. The base question will be to know if the moderation is seen as a strength at the service of the revolution or not.

Keywords:

Moderation, Radicalism, Revolution