A cristalização da identidade de Goa (Índia) como resultado da Revolução de 1820

The crystallization of the identity of Goa (India) as a result of the Revolution of 1820

Aurobindo Xavier
Lusophone Society of Goa (LSG), Goa, Índia

Desde a criação do Estado Português da Índia em 1505 e até a Revolução de 1820 a identidade de Goa e dos goeses formou-se quase somente ao nível religioso. Essa formação deu-se essencialmente a partir de escritos religiosos. Outras obras, históricas ou não, foram predominantemente escritas e publicadas por portugueses da Europa. E mesmo assim desde os finais do século 16 até 1820 quase não se conhecem obras impressas. Foi apenas na sequência da Revolução de 1820, que se deu a forte propagação da imprensa em Goa com uma predominância de autores goeses. O primeiro número da “Gazeta de Goa”, em 22 de dezembro de 1821, representa um marco histórico e cultural no contexto de publicações periódicas em Goa. Outros jornais e publicações seguiram-se, no âmbito da liberdade da imprensa que se estabeleceu em Goa logo após a Revolução de 1820. À base de conteúdos de diversos jornais e algumas publicações goesas dos finais do século 19 são aqui discutidos sentimentos e pontos de referência expressos nessas publicações, que contribuíram para formação da identidade de Goa e da memória individual e coletiva da sociedade civil. É também abordada a relevância de uma elite cultural relacionada com castas goesas que esteve associada aos primórdios da consolidação dessa identidade. A identidade goesa que se cristalizou na sequência da Revolução de 1820 gerou uma coesão afetiva e sociocultural que perdura, com algumas variações e nuances particularmente derivadas da anexação de Goa à Índia em 1961, até os dias de hoje.


Since the establishment of the Portuguese State of India in 1505 and until the Revolution of 1820 the identity of Goa and the Goans formed almost only at the religious level. This formation essentially came from religious writings. Other works, historical or not, were predominantly written and published by Portuguese from Europe. And even so since the late 16th century up to 1820 almost no print works are known. Only following the Revolution of 1820, there was a strong spread of the printed press in Goa with a predominance of Goans authors. The first issue of the “Gazeta de Goa”, on December 22, 1821, represents a historical and cultural landmark in the context of periodic publications in Goa. Other newspapers and publications followed, as part of the freedom of the press that settled in Goa shortly after the 1820 Revolution. Based on the contents of several newspapers and some Goan publications of the late 19th century, we discuss feelings and landmarks expressed in these publications, which contributed to the formation of the identity of Goa and of the individual and collective memory of Civil society. It is also addressed the relevance of a cultural elite related to the Goan castes that was associated with the beginnings of the consolidation of this identity. The Goan identity that crystallized in the aftermath of the Revolution of 1820 generated an affective and sociocultural cohesion that endures, with some variations and nuances particularly derived from the annexation of Goa to India in 1961, up to the present day.