A revolução liberal de 1820 como precursora da independência do Brasil: o papel do Correio Braziliense de Hipólito da Costa

The 1820 Liberal Revolution as a precursor to Brazilian independence: the role of Hipolito da Costa’s Correio Braziliense

Paulo Roberto de Almeida
Programas de mestrado e Doutorado em Direito do Centro Universitário de Brasília (Uniceub); Ministério das Relações Exteriores do Brasil

Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça (1774-1823), natural de Sacramento, criado no Brasil, teve sua carreira de assessor de D. Rodrigo de Souza Linhares precocemente amputada pela Inquisição portuguesa. Ao refugiar-se na Inglaterra desde 1805, tornou-se o criador, redator e editor do Correio Braziliense: foi o primeiro jornal verdadeiramente independente do futuro Estado brasileiro, que ele passou a ver como a sede de um grande império luso-brasileiro geograficamente transcontinental, quadro de um governo monárquico-constitucional que ele augurou desde o deslanchar da revolução no Porto. Por meio do seu “armazém literário” seguiu os trabalhos das Cortes de Lisboa a partir dos quais, ao ver a redução do Brasil a status anterior de colônia, não hesitou em aderir, ainda que tardiamente, à tese da independência de sua pátria de origem. O Correio foi importante do ponto de vista das lutas políticas e jornalísticas, pela liberdade de expressão e no controle das autoridades. Quando dos episódios de 1807-1808, refletindo sobre os destinos do Brasil, ele não hesitou em apontar os caminhos que se abriam à nação que passava a acolher a corte metropolitana, que ele julgava que deveria aperfeiçoar-se na melhoria dos costumes e da moral pública, assim como empenhar-se em livrar-se da nódoa do tráfico e do opróbio da escravidão. Acompanhando a marcha dos acontecimentos no Brasil desde a partida de D. João VI e a assunção de D. Pedro como príncipe regente, Hipólito não deixa de recomendar importantes mudanças quanto à forma de melhor governar o Brasil, na suposição inicial de que Brasil e Portugal deveriam permanecer unidos. Ele não se opôs à constituição de um Estado brasileiro, apenas se pronunciava pela unidade do Império, vendo o Brasil como o centro de uma grande unidade de propósitos entre as diferentes partes dos imensos domínios marítimos de Portugal, a base provável de uma nação espalhada em vários continentes, podendo colocá-la quase em igualdade de condições com outros impérios existentes ou em formação. Na fase final de seu trabalho como editor do Correio Braziliense, em julho de 1822, Hipólito veio a assumir novo posicionamento, já que ele era favorável, até a ocorrência da revolução do Porto e a “constituinte” portuguesa, à continuidade da união política entre Portugal e o Brasil sob a forma de uma monarquia constitucional. Temia acima de tudo uma “independência intempestiva” ou o retorno do Brasil a uma situação de colônia. Sua mudança de atitude se deu no quadro dos debates nas Cortes portuguesas, quando são discutidas diversas medidas no sentido de “recolonizar” o Brasil. Quando esse Estado se constituiu de forma autônoma ao governo de Portugal, evolução, aliás, à qual ele não se opôs de maneira definitiva, ele estava pronto para servir à nova nação, mesmo na condição  meramente instrumental de cônsul na Grã-Bretanha, início provável de uma carreira de estadista que o teria levado de volta à terra natal. Ele foi designado cônsul do Brasil na Grã-Bretanha no início de 1823. Sua morte precoce impediu-o de desempenhar um papel de estadista e diplomata brasileiro.

Palavras-chave:

Hipólito da Costa, Correio Braziliense, Revolução do Porto, Independência do Brasil, Cortes de Lisboa, Império Luso-Brasileiro


Hipolito José da Costa Pereira (1774-1823), born in Sacramento, raised in Southern Brazil, was a young assistant to D. Rodrigo de Souza Linhares, whose career was precociously cut short by the Inquisition. Exiled in England from 1805 onwards, he created the first, truly independent, Brazilian newspaper, Correio Braziliense. He conceived, at the onset of Oporto Liberal revolution, a great role for his birth country, which he considered the siege of a great Luso-Brazilian Empire, under a united constitutional monarchy. Following attentively the debates at the Lisbon Cortes, pointing to the retrocession of Brazil back to a colonial status, he adhered, albeit at a later stage, to the independence of Brazil. From a point of view of political and media debates, Correio was really important, as it followed (and censored) the Crown and ministers’ activities. Printing and distribution in Portugal and Brazil – despite the censorship – started almost immediately after the transfer of the court to Brazil (1807-1808): Hipolito foresaw a new opportunity to upgrade the situation on Brazil, mainly in the political realm and by the elimination of the traffic and the slave system. After the departure of King John VI (1821), pressed by the Lisbon Cortes, and the designation of his son as Regent Prince, Hipolito suggested important changes for the administration of Brazil, while stating that the two parts of the United Kingdom should be kept together under a single monarchy. He was not opposed to the constitution of a Brazilian state, only preferring the unity of a big Empire, within which Brazil would be the center of a big commonwealth of purposes, among the different parts of the huge Portuguese maritime dominions: its spread over many continents would put it at the same level of other empires. During his final phase as publisher of Correio Braziliense, mid 1822, Hipolito started to change somewhat his position as regards the unity between Brazil and Portugal under a single constitutional monarchy. He was afraid of an “early independence” or the going back of Brazil to a new colonial status, as decided within the workings of the Lisbon constitutional assembly.At that point, Brazil was already marching quickly towards Independence, and Hipolito started to put his endeavors at the service of the new nation, deciding to close the Correio by a definitive issue at the end of that year. He would probably start by acting as a Brazilian consul in London, the beginning of new career which could bring him back to the country of his youth or to the inception of a diplomatic assignment. He was formerly chosen as consul in Great Britain at the beginning of 1823, but his early death prevented him to raise as a great statesman or a Brazilian diplomat.

Keywords:

Hipolito da Costa, Correio Braziliense, Oporto revolution, Independence of Brazil, Lisbon Constitutional Assembly, Luso-Brazilian Empire