Lírica de João Mínimo: o Revolucionário Garrett

Ricardo Nobre
Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

As primeiras composições líricas de Almeida Garrett assumem um carácter político, fruto do contexto histórico em que foram produzidas. Reunidas posteriormente em Lírica de João Mínimo (1829), mas com traços evidentes em muitos lugares da sua obra (nos discursos políticos de peças como Catão, por exemplo), elas comprovam o empenho continuado na defesa da liberdade resultante da Revolução Liberal, em 1820. Com efeito, a formação de Almeida Garrett e a análise atenta da sua obra revelam como a retórica e os efeitos do discurso sustentam a expressão poética dessas composições, nas quais são convocados exemplos históricos (em especial provenientes da República Romana), verdadeiros testemunhos de que o autor aprendeu a lição da Retórica clássica. Por conseguinte, nesta comunicação estudam-se os processos retóricos na poesia de Almeida Garrett contemporânea da Revolução Liberal: sem ignorar que o seu autor foi sempre um defensor da liberdade política, cultural e artística, revelar-se-á como uma arte poética se associa à arte retórica para defender um nobre ideal de liberdade, de que Garrett foi sempre um protector.


The earliest poetic works by Almeida Garrett are political in nature, a product of the historical context at the time of writing. Subsequently collected in Lírica de João Mínimo (1829), but with clear traces in many areas of his oeuvre (for example, the political speeches in plays such as Catão), they illustrate the author’s continued commitment to defending liberty in the aftermath of the Liberal Revolution of 1820. Indeed, Almeida Garrett’s educational background and detailed analysis of his oeuvre reveal that rhetoric and reception by the public highlighted poetic expression in these works. Attesting to the author’s training in classical rhetoric, they contain historical examples, especially from the Roman Republic. Consequently, I will examine the rhetorical processes in Almeida Garrett’s poetry at the time of the Liberal Revolution. Without omitting that the author always defended political, cultural, and artistic freedoms, I will show how poetry became associated with rhetoric to defend the noble ideal of liberty, an ideal which Garrett always protected.