A Revolução de 1820 foi causada por uma crise económica?

Can an economic crisis explain the 1820 Liberal revolution in Portugal?

Jaime Reis
Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Lisboa

A revolução Liberal de 1820 é sem dúvida um dos acontecimentos mais controversos da historiografia portuguesa. É ao mesmo tempo um dos temas em que o consenso está longe de ser atingido pelos historiadores. Entre os vários aspectos a que estes se têm dedicado, os económicos têm sido dos mais salientes, sem prejuízo, no entanto, de outros de grande relêvo também. Nesta comunicação, usamos uma abordagem macroeconómica utilizando dados e metodologias quantitativas e procurando deste modo obter resultados novos e mais rigorosos provenientes de uma pesquisa em História Económica recente. Espera-se assim contribuir com novas perspectivas para a compreensão deste evento epocal. Para além disto, esperamos introduzir no debate duas novidades. Uma é adoptar uma perspectiva de médio prazo relativamente ao comportamento da economia em vez de concentrarmos a nossa atenção somente sobre o período imediatamente anterior a 1820. A outra é atentarmos para a natureza muito particular da economia das guerras francesas em Portugal (1808-1814), e para consequências das mesmas que acabariam por marcar excepcionalmente a recuperação económica pós-1815. Apesar da sua indesmentível importância para o estudo da nossa temática, a presente comunicação não irá ocupar-se especialmente dos seus aspectos financeiros e monetários. Em lugar disso, o nosso enfoque concentrar-se-á no comportamento dos grandes sectores – agrícola, industrial e comercial – da economia reral, integrando-os numa visão global e quantitativa. Com esta abordagem, espera-se determinar quais os seus impactos ao longo do processo da queda do Antigo Regime em Portugal.

Palavras-chave:

Crise económicas, Agricultura, Indústria, Comércio, Guerras napoleónicas


The 1820 Liberal uprising is undoubtedly one of the most debated events in Portuguese history. It is also one of those on which agreement surrounding its interpretation has been the most elusive. Amongst many explanatory aspects to which historians have turned, economic ones have certainly played a relevant role without, however, drowning out other major dimensions of the debate. In this paper we use a macroeconomic framework combined with quantitative evidence and methodologies which enable us to achieve novel and more rigorous results. They are the result of recent economic history research and, hopefully, will furnish fresh perspectives on this epoch-making event. Beyond this, we introduce two innovations. One is to take a medium term view of the performance of the economy rather than concentrate closely on the immediate pre 1820 period. The other is to focus on the peculiar nature of the economics of the French wars in Portugal (1808-1814) and the beneficial implications this may have had for Portugal’s economic recovery after 1815. Our study will not consider primarily the financial and monetary history of the period although they have been credited with significant negative effects on social, political and institutional conditions. It will focus on the performance of the agricultural, industrial and trade sectors, as well as provide a macro view of the economy as a whole. The aim will be to assess whether these could have been effective determinants of the overthrow of the Ancien Regime in Portugal.

Keywords:

Economic crisis, Agriculture, Industry, Trade, French wars